Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010
Diz-me a verdade, mesmo que mintas

 

Jura que vamos sentarmo-nos lá fora no jardim, o frio a lamber-nos o corpo, eu aninho-me em ti e ouvimos as estrelas e olhamos o silêncio cortado pelo vento nas folhas dos pinheiros.

Diz-me a verdade, mesmo que mintas.

Promete-me que no futuro, estaremos sós os dois, aqui nesta casa, as nossas impressões digitais coladas pelas paredes, fechamos todas as luzes e apenas as labaredas da lareira vão inundar a casa, tons quentes no frio da noite mágica.

Diz-me a verdade, ainda que me mintas.

Diz-me que vamos voltar atrás quando andarmos para a frente, e de novo saborear os nossos corpos, já lá vai tanto tempo que já não tenho o sal da tua pele na minha memória. Não sei se vamos retomar à paixão de há tantos anos atrás ou à acalmia do amor sereno mas tanto me faz, o que quero mesmo a voltar atrás nesse futuro e quando entrar a porta do quarto saborear de antemão o prazer das tuas mãos a tecerem rendas na minha pele.

Diz-me a verdade, nem que me tenhas que mentir, e pintar o céu de outra cor qualquer, e dar-me asas para voar, que eu não aguento mais, aqui sufoco, aqui morro todos os dias mais um pouco.

Diz-me a verdade mesmo que me mintas e eu levar-te-ei nos meus braços quando levantar voo daqui sem sairmos os dois do sofá, da carpete, da cama.

Mas diz-me a verdade. Diz-me toda a verdade coberta pelas mais doces mentiras, essas promessas de futuro, de acalmia, de passeios na praia quando o frio aperta e as gaivotas baixam ao areal.

Diz-me a verdade e promete-me uma noite de sono. Mente e diz-me que vou dormir como um bebé virgem de medos, sem estes terrores nocturnos, sem este acordar diário a teu lado na cama, e contudo, tão só como o primeiro ser do universo.

Diz-me a verdade que não me importo que seja mentira. Já não faz diferença alguma, na verdade o que  te peço é que me mintas, mas desta vez não me dês uma das tuas mentiras que me fazem chorar, que me fazem sangrar e me roubam dias de vida.

Não.

Diz-me a verdade da mentira que vamos viver. Diz-me depressa que eu não sei quanto tempo mais consigo respirar aqui!



publicado por Luísa Castel-Branco às 17:47
link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010
Mil desculpas mas é a vida!

Tenho a caixa de mensagens do meu email cheia. Tenho dezenas de comentários quer aqui no blog quer no correio electrónico para responder, mas ainda não vai ser desta!

Li já não recordo onde, que a vida é como um fruto que se vai retirando cada camada até encontrar a verdade no caroço.

Ora aqui está uma forma simples de olhar o que nos acontece e tentar não procurar fazer sentdo  da vida.

E será que a vida faz sentido? Será que, como gosto tanto de pensar, tudo acontece por uma razão?

E se não for assim? E se afinal de contas todos os acontecimentos, dores, lágrimas e risos forem puramente aleatórios?

Não faço ideia alguma.

O que sei, é que quanto mais envelheço menos respostas tenho.

Após um mês e duas semanas em imobilização,  o que quer dizer que estando sozinha em casa fiz o mínimo possível e cheia de dores, com uma costela partida, sobrou-me tempo para pensar e repensar.

E acreditem, dei comigo a fazer uma avaliação cruel e fria destes 56 anos de vida, entre lagrimas e também sorrisos das boas memorias.

Para mim que não consigo fazer uma só coisa de cada vez, não poder sequer escrever no computador foi verdadeiramente doloroso.

Mas há muitos, muitos anos que não passava dia após dia totalmente sozinha.

E por isso mesmo, o mergulhar dentro de mim foi mais fácil sem distracções, sem palavras, sem nada.

Qual o compto desta longa introspecção?

Ainda não vos posso dizer,  mas quero acreditar que o que me aconteceu foi por uma razão, e que muito provavelmente essa razão era tão somente obrigar-me a parar e a olhar para a verdade da vida.

O que sinto agora?

Isso fica para depois.

Um abraço a todos.

Luísa



publicado por Luísa Castel-Branco às 10:29
link do post | comentar | ver comentários (7)

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds