Segunda-feira, 23 de Junho de 2008
Dificuldades, parolas e desabafos!
Ser mãe não é nada disto. Isto é a visão tonta de uma mulher que desconhece o significado de "dificuldades"... Cambada de parolas!
AD MATREM | 22.06.2008 | 18.51H
 

Tenho inúmeros comentários para responder, quer neste meu blog quer no Consultório e juro que era isso que estava a começar a fazer, quando fui fazer a minha visita diária ao Destak e aos comentários "on line" sobre a minha coluna.

Desde que descobri o mundo da Net, que todos os dias apreendo alguma coisa, e não deixo de me maravilhar com as possibilidades incríveis que a Net oferece.

Mas, há o outro lado. A coberto do anonimato, já tive no Destak on line comentários mais do que insultuosos, diria que surpreendentemente raivosos.

Fui lá buscar aquele que acima transcrevo, porque me pareceu exemplar.

Alguém, que nem eu nem todos os que leram ou aqui deixaram os seus comentários sobre este texto conhece o autor/a.

E claro que ele/ela tem todo o direito à sua opinião sobre a minha escrita.

Mas não lhe dou a ele ou a ela o direito de me julgar.

Não aqui neste canto onde estou como em minha casa, com os meus amigos, também eles desconhecidos, mas onde trocamos desabafos, dores e alegrias.

Aqui reservo-me o direito de por uma vez não ter que acatar toda e qualquer idiotice que alguém decida dizer sobre mim, porque ao ter-me tornado uma "figura mediática" a tal tenho que me sujeitar!

Já o disse em entrevistas á o escrevi aqui: sei o que são dificuldades porque criei três filhos sozinha, com vários empregos e muito sufoco.

Mas mesmo que assim não fosse? Se eu tivesse tido uma vida fácil como desejo para os meus filhos, da mesma forma que todos os leitores, isso retirava-me o direito a escrever sobre os meus sentimentos?

Porque são parolas as pessoas que gostaram do texto?

Porque quem não está connosco está contra nós?

Não há duvida. A Net é um bom exemplo do que de melhor e pior têm os seres humanos.

Estou atrasada, vou voltar ás respostas aos vossos comentários mas, tive mesmo vontade de desabafar convosco!


tags:

publicado por Luísa Castel-Branco às 12:15
link do post | comentar

7 comentários:
De Susana Oliveira a 23 de Junho de 2008 às 16:22
Gosto muito dos seus textos e espero que continue a escrever para nós . As pessoas que não gostam dos seus textos , que nos achem uma cambada de parolas , nem deviam vir aqui. Todos temos gostos diferentes e maneiras diferentes de ver a vida e de enfrentá-la , mas todos devemos respeitar essas diferenças .

Um beijinho .


De Crezia a 23 de Junho de 2008 às 20:59
Olá. Soube que a Luisa tinha um blog há pouco tempo. Comento hoje pela primeira vez.
Também fico surpreendida com o trabalho a que as pessoas se dão ao fazerem comentários indecentes. Normalmente são anónimos ou sem link a nada o que dá no mesmo (nada contra, mas quando a intenção não é boa, é mesmo porque não se quer dar a cara). E às cartas anónimas já se sabe o que se faz, não é? Também não raras vezes, os comentários tendem a ser piores se o autor do blog é uma figura conhecida. Quem é o parolo, afinal? As ideias feitas e os rotulos são do mais parolo que conheço.
Gosto de ler oque escreve e hie-de espreitar o seu livro. Continuarei a visitá-la por aqui.
Marta


De blog também já tive comenisabel salvador a 23 de Junho de 2008 às 21:25
no meu blog também já tive comentários bastante desagradáveis, é para o lado que durmo melhor, realmente esses comentários são feitos por gente sempre anónima, que se escondem atrás de anonimato para deitar abaixo,mas só me dá força para postar as minhas receitinhas ....... .....

a Luísa é uma grande mulher e sabe-o bem........

já li o seu livro..........e só tenho uma coisa a dizer .....

quando saí o segundo romance..........lindo..precisava mesmo de chorar aquilo que tinha aqui dentro preso.......beijinho muito grande nesse seu coração ...


De outraidade a 23 de Junho de 2008 às 21:31
O comentário com que inicia este post deu-me atrevimento. Tenho pena dessa pessoa porque quer esteja a falar no lugar de progenitor, quer no lugar de gerado, não teve a possibilidade única de sentir a plenitude desse estado emocional. E se calhar também já não vai a tempo...essa será a sua maior dificuldade.
Sentirmo-nos mães até morrer protegendo sem castrar, amando sem abafar, estar presente com o distanciamento equilibrado...meu Deus como tudo isso, ás vezes, é difícil mas saboroso!!!


De a 24 de Junho de 2008 às 11:13
Parece que parolo/a é a pessoa que escreveu tal comentário, que na minha opinião a Luísa deve ignorar. Só pode ter vindo de alguém azedo, e de muito mal com a vida e para quem ser Mãe é (apenas) dificuldades.


De manuel cardoso a 24 de Junho de 2008 às 14:23
Boa tarde.
Preciso de enviar um e-mail importante para a Drª Luísa Castel-Branco. Pode ff de me facultar um endereço?
Obg!
manuel


De Adoa a 26 de Junho de 2008 às 21:24
Costumo dizer que "os cães ladram e a caravana passa!"
O que vem de baixo não nos deve afectar ou pode tornar-nos iguais...


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds