Quarta-feira, 6 de Agosto de 2008
O Amor não é uma doença incurável!
nanda disse sobre Porquê aceitar o que não nos satisfaz? na Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008 às 14:40:
    

 

 

Cara Luísa, aqui estou, mais uma vez, a "espreitar" o seu blog. Também eu me licenciei, iniciei uma pós-graduação e pelo meio trabalhei a dias para poder ter uma qualidade de vida razoável, dentro das minhas poucas ambições materiais. Tenho dois filhos fantásticos, de 23 e 24 anos, que me apoiam incondicionalmente na relação, conturbada, que alimento há 25 anos. Tenho 44 anos, sou, modéstia à parte, inteligente q.b.b, dona de uma grande sensibilidade, atenta a tudo e a todos. Sou dona de uma personalidade forte, independente, não tenho medo da solidão. De qualquer maneira nunca me consegui libertar de uma relação que já me deu os piores momentos da minha vida. Estou à procura da tal viragem, da que me fará, definitivamente, feliz. Para isso precisava de um emprego estável, apesar de centenas de currículos enviados, que teima em não aparecer.
Talvez queira arranjar desculpas, " o coração tem razões que a mente desconhece". De qualquer forma gostava de incutir força e determinação a todas as que passam por situações complicadas. Talvez, em conjunto, possamos formar um blog, quem sabe?

 

Nanda,

Tive que ler várias vezes o seu post para assimilar as suas palavras.

Eu sinceramente gostava que a Nanda lê-se isto escrito por outra mulher. Uma mulher suficientemente poderosa para ter conseguido educar dois filhos, trabalhar a dias para tirar um curso superior e que diz que afinal tem uma relação miserável há anos!

Já percebeu o quanto esta afirmação, vinda de alguém que se descreve como o faz e que efectivamente deve ser esse ser humano, é um insulto a si mesma?

Por amor de Deus não me venha com a conversa que o coração, etc e tal!

O AMOR NÃO É UMA DOENÇA INCURÁVEL! Irra!

Ao longo da vida conheci mulheres fantásticas e incrivelmente infelizes em nome do amor por algum sujeito que não valia um cabelo delas!

Quando me deparo com uma realidade como a sua tenho vontade de gritar!

A Nanda merece muito, muito mais do que contentar-se em sobreviver.

E garanto-lhe que é mesmo verdade: mais vale só que mal acompanhada!

Imagine-se a si mesma daqui a dez anos, e pense o que poderia ter feito se não estivesse presa a essa relação sem sentido.

Seja verdadeira consigo mesma e lute, afinal, isso é o que tem feito a vida inteira!

Um abraço e volte sempre.

 

Luísa



publicado por Luísa Castel-Branco às 15:14
link do post | comentar

1 comentário:
De Sónia a 8 de Agosto de 2008 às 11:25
Luisa, gosto muito de a ler, e reconheço-lhe, com uma certa inveja :) a capacidade, rara nos dias que correm, de aturalmente abordar temas que são muitas vezes vividos de forma escusa na nossa sociedade. Abordo-a desta feita, para lhe perguntar se não gostaria, de no seu blog, falar de um tema que é o alcoolismo no feminino.
Um beijinho


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds