Terça-feira, 16 de Setembro de 2008
Indiferente
 
  

Acordou cedo e deixou-se ficar queda, imóvel, com os olhos fixos no tecto. O tiquetaque do relógio na mesa-de-cabeceira, o som miudinho que subia da rua, uma porta que bate, passos na calçada, um ou outro carro, é domingo e a cidade espreguiça-se ainda.

Agora um cão que late e alguém que abre a persiana com estrondo.

A rua é velha, as casas são velhas, a cidade é velha. Mas ela não.

E contudo, o seu corpo está mais gasto que todos os séculos das muralhas de Lisboa, que as águas batidas do Tejo no cais.

Mais desgastado que as pedras da rua lisas de tanto uso, que as fachadas dos prédios com a tinta a cair.

O que fazer com este domingo, pensou para si mesma?
O que fazer com os dias que lhe restavam, porque cada manhã era mais penoso o levantar do leito, o arrastar-se pela casa, e as escadas, agora, só as utilizava para ir ao hospital e pouco mais.

Se ao menos... Mas para quê pensar nisso, do que servia, do que lhe valia a pena de si mesma? Deitada na cama sem se mover, a respirar devagarinho, fechou os olhos com força e partiu dali para fora, como se tivesse aberto a janela e voado, sem o seu corpo se mexer. E lá estava ela, de novo rodeada pelos perfumes conhecidos, pelas cores e sabores da sua infância, da sua juventude.

A mãe sentada no banco da cozinha, o ovo de madeira dentro das meias já tão passajadas, o pai que adormeceu na soleira da porta.

Ah! Como era feliz e não o sabia! Se ela tivesse sonhado o que a vida lhe ia colocar no colo, teria saboreado tudo de outra forma, ou então, pura e simplesmente ter-se-ia deixado por lá, sem outras ambições. O vento aumentou subitamente, e as cortinas rodopiaram uma e outra vez e ela que já não estava ali, mas bem longe. Nem calor nem frio. Nem noite nem dia. Nem viva nem morta.

 

in Destak 16 | 09 | 2008



publicado por Luísa Castel-Branco às 11:05
link do post | comentar

1 comentário:
De Belita a 16 de Setembro de 2008 às 18:23
Luisa
Tenho apenas 32anos mas isso não me impede de ter saudades da minha infancia, nomeadamente das doces recordações que tenho dos meus avós.
O cheiro do campo, da terra molhada em dias de chuva, do pão acabado de sair do forno, do leite fresco,da lareira nas noites de Inverno,acompanhada das histórias de encantar contadas pelo meu avô,da ternura ,do carinho e aconchego do colo da minha avó.
Obrigada pela partilha de sentimentos.
As suas palavras cheias de vida, rumam ao coração e á nossa alma.
Continue a fazer-nos companhia...


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds