Terça-feira, 7 de Julho de 2009
Jogo de espelho
 
  

Um labirinto de sedas. O ser humano olha e o que vê não é a realidade, não é a sua própria imagem mas algo distinto, como se os espelhos fossem deformados e projectassem aquilo que cada um quer ver. Depois existe o labirinto de panos, sedas leves e translúcidas ou tecidos pesados, difíceis de mover. Caminhamos às apalpadelas, aos tropeções. Primeiramente enganados pelos espelhos mágicos iguais aos daquela casa na Feira Popular em que o corpo mais esguio virava uma bola. E de seguida, há que levantar os panos do labirinto, um após o outro e outro e outro, sem nunca terminar, sem parar a não ser no dia em que partimos para sempre desta existência. E porque temos medo, porque vivemos perdidos e assustados, escolhemos fazer o percurso acompanhados. Necessitamos tanto de estar inseridos num grupo que somos capazes de prescindir da nossa personalidade de forma a sermos iguais, que pouco a pouco nos diluímos transformando-se toda a sociedade em algo passível de ser categorizado, definido, sistematizado. Na verdade, cada vez nos reconhecemos menos. E para fugir ao medo, assemelhamo-nos cada dia mais um pouco a um enorme rebanho. E porque não? As ideologias morreram há muito, o Euro já é uma lembrança tão apagada quanto as ridículas bandeiras nacionais esquecidas. As relações entre as pessoas são cada vez mais fugazes, num país onde ainda não se alcançou um acordo para o ensino da Educação Sexual, a realidade em contrapartida já nos deu todas as respostas: somos o segundo a nível europeu com o maior número de mães adolescentes.


 

in Destak 07 | 07 | 2009



publicado por Luísa Castel-Branco às 11:35
link do post | comentar

1 comentário:
De SALMARINHO a 8 de Julho de 2009 às 07:50
Estamos perante uma prosa poética realista que podemos dizer contemporânea de nível elevado. O trajecto é labiríntico e ilusório. Estamos perante um labirinto de sedas e ilusões nos espelhos côncavos e convexos. O trajecto é efectuado numa sociedade caduca em que o relacionamento entre os intervenientes é fugaz. Não conseguindo por isso conseguir um objectivo. Deixando os seus filhos deserdados de conteúdo


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds