Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007
Para si
+
 
Olá Luisa, eu gosto muito de a ouvir gosto mesmo muito, e por isso estou aqui a escrever lhe, eu descobri o seu blog por acaso, ou por ironia do destino não sei, mas é o seguinte eu passei esta ultima noite como muitas outras mal e a chorar porque eu acho "acho não, não tenho mesmo" sorte nenhuma, dormi mal e pus me a pé de manha porque hoje não tenho os miúdos muito raro mas foram dormir ao pai "sou divorciada há 6 anos e meio" mas gosto muito de uma pessoa sou correspondida mas não posso ter uma vida normal, mas continuando acordei e liguei a Tv. no canal 2 e vi uma entrevista sua e falaram no seu mail e eu rapidamente fui a ao computador que tinha acabado de ligar e escrevi o seu mail e qual foi o meu espanto a sua ultima escrita falava de sorte que somos nós que a fazemos será, eu sou uma pessoa pessimista muito pessimista para conseguir alguma coisa consigo com muito sofrimento e depois perco logo a seguir e neste momento da minha vida ando muito triste sem vontade de viver, já me passou pela cabeça matar me ouve ate uma noite que passei acordada na varanda com vontade de me atirar mas quando eu estava mesmo a fazer lembrei me dos meus filhos que estavam a dormir e que naquela altura só me tinham a mim porque o pai na altura "ou seja durante 1 ano não quis saber deles foi preciso ir varias vezes a tribunal para o obrigar a ver o filhos" hoje pensaria duas vezes se o faria, mas continuando lembrei me dos meus filhos e pensei se eu não morro e fico numa cadeiras de rodas o que vai ser pode ser palermice mas veio isso a minha mente não o fiz claro os meus filhos estão a cima de tudo, mas acerca do seu tema será mesmo que basta ser optimista não precisar de fazer nada que as coisas acontece, eu não acredito a minha filha diz me para eu ser optimista e gostar primeiro muito de mim "ela só tem 12 anos" gostar de mim ela deve ter razão, e ser optimista também mas a vida foi tão madrasta comigo que eu já não consigo ser optimista, mas tenho uma coisa e tive sempre que a Luisa disse na Tv. que tinha agora medo, eu tive sempre medo, por isso eu q acho que sou pessimista tenho medo ate tenho medo hoje em dia de viver porque não consigo viver aceitado tudo que a vida me dá.
 
 
Dos mais de 180 comentários que recebi, aos dois post publicados, o seu ficou-me na cabeça, preso entre os múltiplos afazeres diários, sem que o tivesse conseguido esquecer.
Ah! As imagens da dor prendem-se em nós, e mesmo o tempo passado, são como vírus que se alimentam do nosso sangue e das nossas lágrimas.
Sei da sua varanda, da sua janela, das suas lágrimas, da enorme atracção do abismo, do salto no escuro e poder dizer adeus a tudo, absolutamente tudo, mas principalmente à dor maior que não tem nome, é um conjunto de muitas dores, como se dentro de nós se fossem acumulando, dia após dia, as desilusões, os desamores, a culpa, sim a culpa, porque mesmo quando a vida nos bate como se fossemos um saco de boxe, sabemos sempre que há alguém que está pior que nós, que sofre ainda mais.
Sei a atracção do precipício, do salto que é muito mais um voo para o infinito, um voo em direcção às estrelas e aos anjos e arcanjos do que a realidade do corpo estatelado no passeio lá em baixo.
Sei o que é acordar com medo. Há tantas formas de medo e possivelmente ele é uma das maiores forças do Universo, muito para além do sexo ou do poder.
O medo faz-nos correr, correr sem parar. E não sabemos que é medo, chamamos-lhe outros nomes: ambição; gosto pela aventura, desafio, eu sei lá.
Quando na verdade, apenas tentamos não nos afogar nas horas que o dia tem.
Sei o que é olhar para o lado e pensar: mas se eu não faço mal a ninguém, mas se eu me esforço tanto, porque é que a vida é tão madrasta?
E sei o que o único amor infinito, imortal, maior do que a nossa própria vida, é o que sentimos pelos nossos filhos.
E também a mim foram eles que me tiraram, sem saberem, dessa janela, dessa varanda e da vontade que vem das entranhas de abrir os braços e saltar, saltar e nunca mais ter que olhar-me no espelho.
Sei que devemos gostar de nós e ser optimistas, e que por nós passam todos os dias gentes com maiores e mais terríveis sofrimentos.
Mas nunca irá esquecer estas lágrimas, minha amiga.
Nunca.
E mesmo um dia, quando a vida lhe sorrir, não saberá sorrir com a vida e todos a acusaram de ingratidão e muito mais.
Mas a verdade, é que a janela aberta, os pés na borda da varanda e o salto que não foi, ficam dentro de nós como se tivesse sido.
Apenas os filhos nos podem dar o futuro. E se tivermos coragem de não lhes roubar a vida, a alegria, de não os matarmos de tanto os amar, então um dia cada coisa estará no local preciso, mesmo que para nós não faça sentido.
Porque nunca ninguém nos disse como ia ser difícil.
Porque nos encheram a cabeça e a almofada de príncipes encantados e estórias de felizes para sempre.
E nós para aqui ficamos, sem perceber onde foi que falhámos.
Há momentos na nossa existência que a solidão nos pesa como um casaco molhado.
Há outros em que já não temos lágrimas nem sequer animo para nos levantarmos da cama.
Noites em branco. Fins-de-semana em branco sem o som dos risos dos nossos filhos, e o mundo desaparece de vez.
Quando me diz que ama e é correspondida mas...não acredite.
Só vimos o que queremos ver. E quando o desespero é tão grandes que não encontramos razão para continuar por aqui, temos tendência para aceitar migalhas.
Não precisa acreditar nestas minhas palavras.
É muito mais fácil reduzir-me aquela que aparece na televisão e portanto conseguiu alcançar o que os outros não têm.
Não, não acredite nas minhas palavras mas se no seu intimo se aperceber de que sei do que fala, então aceite a minha experiência.
As palavras da sua filha, os pequenos mimos que eles nos dão, olha-los no quarto escuro enquanto dormem, garanto-lhe que isto basta.
Não lhe digo que vai ser feliz. Mas digo-lhe que vai existir como um ser inteiro.
Tão inteiro e poderoso, que é capaz de escrever o que me escreveu.
Quando sentir a dor apertar dentro de si, olhe para a varanda.
E, tal como aconteceu antes, pense neles.
Pense que não pediram para nascer mas que ao nascerem lhe deram o infinito na palma da sua mão.
Nada, absolutamente nada mais interessa.
Escreva sempre, mas sempre que precisar.
 
Um abraço grande,
 
Luísa
 
 
 
 


publicado por Luísa Castel-Branco às 00:06
link do post | comentar

6 comentários:
De jfd a 17 de Agosto de 2007 às 14:47
Bem vinda e sucesso para o seu blog:)
Caso possa dê um salto nas minhas urbanidades e aguardo comentários e sugestões.
A net é de todos, a net é linda !!!
http://urbano.blogs.sapo.pt/


De Lord of Erewhon a 18 de Agosto de 2007 às 01:57
Como isto da Net foi uma invenção do demónio cozinheiro do Diabo... vou meter a colher aqui no seu frasco de marmelada para lhe dizer o seguinte: este mundinho, que não existe mas sim, é um vórtice de equívocos, afectos e desafectos, etc, etc, exactamente como o outro mundo lá fora, que temos por real... Mas com um diferença fundamental: aqui é um reino só de véus.

Dark kiss.
http://gothland666.blogspot.com/2006/04/may-they-be-liberators.html


De anónimo a 20 de Agosto de 2007 às 11:52
Obrigada Luisa, de facto o ideal seria uma vida e um mundo perfeitos, mas nós já esquecemos as ilusões, é tudo cruel, imperfeito, e nós cada vez mais estamos cravados de solidão, mas n podemos perder o optimismo, gozar cada minuto de sol e de coisas boas, e aprender a bloquear a tristeza... É tão dificil, eu sei, lembro-me quando tinha 7 anos, a minha mãe foi aos Estados Unidos ter com a familia na esperança de nos levar a todos para uma vida melhor, fiquei em casa de uns amigos, o meu pai era camionista e não podia tomar conta de mim, esse amigo levou-me varias vezes para um palheiro e mandou-me masturba-lo, eu n sabia o que fazia, mas sabia que era mau, tinha vergonha, não contei a ninguem, nem a mulher dele, nem ao meu pai, nem a ninguem, só sentia vergonha! Isso n me persegue, mas n me esqueci nunca, nem sei porque estou a escrever isto agora, talvez para dizer a amiga do seu post que a vida n é facil para ninguem, mas que temos que lutar, devemos isso aos nossos filhos e, principalmente a nós próprias. Um beijo


De aqui_ao_lado a 20 de Agosto de 2007 às 18:37
Há mais de dez anos que estou divorciada. ‘Saltei’ de um casamento de 15 anos onde passei por situações bem desagradáveis As inseguranças e fraquezas eram dele e não minhas e por isso consegui manter-me sã. Era doloroso chegar a casa e não ter móveis, receber chamadas das “namoradas”a quem ele abandonava, ir ao banco e o dinheiro ter desaparecido. Uma verdadeira saga que só mantive tanto tempo por causa dos meus 2 filhos, hoje jovens adultos, a quem o pai enchia de beijos e dedicava horas cheias de paciência – esquecendo-se entretanto do pagamento do Colégio e da conta do Supermercado. Já não falando das injustiças profissionais, do autismo da família, etc.
Adoro os meus filhos, são realmente as pessoas mais importantes da minha vida, recordo-me bem dos braços pequeninos à volta do pescoço, guardo ainda os desenhos da pré-primária, recordo o primeiro dia de escola, mas não posso considerar que ‘Apenas os filhos nos podem dar o futuro’. Tudo isto para dizer que gosto muito de mim e de pessoas, dificilmente deixaria de ser feliz com ninharias, rir com disparates ou deixar de fazer o que me dá na veneta. Nenhum de nós nasce com Manuais de “Como fazer” e naturalmente erramos e voltamos a errar - em situações idênticas – muitas vezes sem aprender com os erros, o que não me parece assim tão grave porque nos damos novas oportunidades e é como se tivéssemos muitas vidas dentro desta vida.
Também já li que emoções são fruto de reacções químicas comandadas pelo cérebro e acredito que o sejam, estou-me nas tintas para isso porque sou feliz e porque se calhar já as consegui “amestrar” de forma a que não me coloquem em estados de alma menos agradáveis.

Apesar de ser um blog triste, gosto do seu blog. Tenho esperança de a ler mais Feliz.

Um abraço. Fil


De In a 29 de Agosto de 2007 às 22:45
Mais do que um comentário ao post (de que gostei muito), apetece-me "comentar os comentários" que tenho lido em relação à tristeza que se sente em muitas das suas palavras.
Porque será que as pessoas reagem assim? A tristeza, ou os momentos de tristeza, fazem tanto (ou mais) parte da vida como os outros. Porquê que as pessoas fogem? Porquê que as pessoas não se permitem sentir? Porquê que vivemos tempos em que as pessoas deixaram de estar tristes para estarem "deprimidas"?
Quanto ao conteúdo de muitos dos seus posts... só posso dizer que me revejo neles...
Mas como apesar de tudo sou optimista acredito que dias melhores virão!
Um abraço,
Inês


De Tatyana Maiato a 1 de Novembro de 2007 às 16:42
Luísa...ainda estou a chorar... encontro-me tão bem na realidade das suas palavras que parece impossível como alguém pode escrever tão bem tudo aquilo que me vai na alma e me vai aniquilando dia após dia! A sua resposta ao post " Para si" é fantástica e embora a diferença de idades seja grande a experiência de vida é parecida a da Senhora que respondeu! Eu tenho 23 anos e um filho de 5...houve um dia em que deixei de acreditar completamente em tudo, no amanha, "nos dias melhores virão", e até em Deus que no fundo era o motivo pelo qual eu ainda não tinha tentado desaparecer...porque segundo o meu pai isso era pecado e se me matasse não iria para o céu!! Tinha o meu filho 6 meses! E eu era aquela pessoa que criticava esse tipo de actos...pois nunca havia motivos suficientes para desistirmos da vida, pensava eu, e por ironia do destino, passei a ter um motivo inexplicável ...e pior que tudo, tinha um filho de 6 meses nos braços! A verdade é que a falta de amor que existia em mim, na minha vida, em todo o meu ser era tão grande que me fez acreditar que mais valia não existir do que não ter amor para dar ao meu filho. Tinha 17 anos na altura...é normal as pessoas pensarem que era muito nova...não sabia lidar com a situação.. etc. Mas era muito mais do que isso, era o reflexo do passado da minha infância , da falta de amor, do sentimento de culpa ou se calhar foram apenas desculpas que dei a mim mesma para encontrar a razão de tal sofrimento! Sobrevivi...quando voltei do hospital percebi então que "Apenas os filhos nos podem dar o futuro" e hoje sei "que o único amor infinito, imortal, maior do que a nossa própria vida, é o que sentimos pelos nossos filhos"
Mas pergunto-me porque temos tanto medo de dizer aos nossos filhos que viver implica sofrer? e sofrer muito...para conseguirmos o que queremos? (a tão procurada felicidade) "Porque nunca ninguém nos disse como ia ser difícil"????


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds