Domingo, 10 de Outubro de 2010
Uma dor maior do que a vida

O meu amigo Paulo perdeu o seu filho. Por mais que eu possa dizer que sei o que ele sente, é mentira. Apenas aqueles que já passaram por esta dor maior do que a vida podem compreender o que ele e a Catarina, a Mãe do Paulinho estão a viver.

Deixo aqui a carta que ele escreveu ao filho, no dia do seu aniversário, exactamente uma semana depois da sua morte.

Os olhos do Paulo e da Catarina são dois buracos vazios, onde o espanto se mistura com a dor. Já antes presenciei esta mesma dor, e para sempre os meus piores pesadelos estarão todos concentrados nesta imagem.

 

 

 

A opção desistir de mim... e de ti!

 

Querido Dragãozinho Azul (mais à frente vais perceber porque te estou a chamar assim...), sim, estou a chorar a tua partida, mas repara que tenho feito tudo para enfrentar a maior perda da minha vida, com a força e a coragem que sempre te tentei passar! Sei que estarás muito orgulhoso dos teus papás pela forma como têm lutado, desde o primeiro segundo em que entraste no hospital...

Tudo o que fizemos até aqui foi decido e feito em conjunto, pelo amor que temos por ti. A tua mamã e eu chorámos abraçados a tua notícia, entrámos de mãos dadas no crematório e foi agarradinhos um ao outro que te deixámos no mar. Ao som da tua música preferida “No One” da Alicia Keys, juntos tocámos nas tuas cinzas e nos despedimos de ti.

Gostava muito de te poder dizer que a dor tem sido amenizada com o passar dos dias, gostava de poder dizer que tenho tido mais força com o passar do tempo... mas estaria a mentir. E entre nós nunca houve mentiras, a nossa linda cumplicidade não permitia isso!

Vivo um segundo de cada vez sem saber como vou estar no segundo a seguir. A minha vida deixou de ter dias, passei a ter apenas um aglomerado de segundos sem nunca saber o que irá acontecer no segundo seguinte... Luto para manter a vontade de viver, na certeza que já não tenho prazer em viver!

Tenho-me lembrado muitas vezes da frase que tantas vezes te disse nas tuas corridas de karts “Desistir não é uma opção!”. Quantas vezes te disse isso ao longo da vida, fosse a montar um lego, fosse a fazer os trabalhos de casa, fosse a trepar uma árvore mais alta? Nunca te deixei desistir, porque nunca fora uma opção de quem quer ser homem com H, como tu sempre quiseste ser!

Naquela cama do hospital, durante mais de 14 horas, pedi-te ao ouvido, milhares de vezes, para não desistires!!! Mas tu não conseguiste resistir.

Não querido, não estou por isso desiludido, porque sei que não desististe. Apenas estou revoltado porque não te foi dada hipótese para lutares mais!

Agora passo os dias a lutar também para não desistir e digo vezes sem conta “Desistir não é uma opção! Desistir não é uma opção!”. Adorava conseguir acreditar nisto com a mesma intensidade de quando te o dizia...

Acho que a única forma que para já encontrei para não desistir foi tentar ultrapassar uma barreira por dia. Todos os dias tenho uma meta a cumprir. Hoje já consigo entrar no teu quartinho. Hoje já consigo olhar para as tuas fotos. Já tive forças para tirar a tua cadeirinha do carro...

A barreira que decidi ultrapassar no dia de hoje é ter tido a coragem de te escrever esta carta, no dia em que farias 7 anos!

Mas faltam-me muitas outras barreiras para as quais vou precisar da força que só tu tinhas o poder de me dar. Sei que sempre fui uma pessoa forte nas maiores adversidades, mas, querido, todo o homem tem o seu tendão de Aquiles. E eu, apesar de desde o primeiro momento em que tudo isto aconteceu andar a fazer de Super Homem, sinto, a cada dia que passa, que a tua ausência é a kriptonite que me retirou os meus “super poderes”!

Tenho a consciência que tenho sido um felizardo em termos de apoio. Não há um dia que não tenha dezenas de chamadas, mensagens e mesmo abordagens na rua de pessoas amigas ou desconhecidas que nos querem bem. Desde o primeiro dia recebemos centenas e centenas de mensagens!

Até o nosso Presidente Pinto da Costa nos enviou uma carta a dar-nos força, onde te chamou “Dragãozinho Paulo” (agora já percebeste porque comecei esta carta a chamar-te Dragãozinho Azul...). Já falámos por telefone e disse-lhe que foste cremado com o teu boneco com que dormias sempre, com o teu livro de histórias preferido e... com um cachecol do F. C. Porto!

A Carla, a nossa Carlinha não me tem largado um segundo! Nem a dormir me larga a mão. Gostava de lhe retribuir a força que me tem passado com pequenos gestos de carinho, mas neste momento apenas sinto um vazio dentro de mim e não consigo ser quem sempre fui. Resta-me a certeza de saber que ultrapassar esta fase sem ela seria, muito provavelmente, impossível! Espero que todos os homens que passem por isto tenham ao seu lado uma mulher como a Carla!

Tenho lido todas as centenas e centenas de mensagens que recebi, nelas tenho conseguido encontrar a energia para o segundo seguinte. É impressionante a quantidade de pais que já viveram este pesadelo. Andes por onde andares, sempre que encontrares uma criança, dá-lhe um beijinho e diz-lhes a todos que têm uns papás muito corajosos cá em baixo!

Todas as pessoas me têm dito, sem excepção, que foste para o Céu. Quero acreditar nisso mas o meu amor de pai ainda não me permite pensar/aceitar para onde foste, apenas consigo pensar/chorar onde não estás... ao meu lado!

Todos me dizem que agora temos um anjinho no Céu a olhar por nós, mas eu preferia mil vezes o meu diabinho de caracóis na terra!

Recebi ainda mensagens a dizer que tenho sido uma inspiração para os pais deste país... fico lisonjeado, mas na verdade apenas quis ser uma inspiração para o ti meu filho, em vida! Espero continuar a sê-lo!

Sei que fui um privilegiado por ter tido o prazer de ter-te como filho. Espero que leves contigo a alegria de me teres tido como papá!

Paulinho, meu amor, não sei quando nem onde nos vamos voltar a encontrar, mas prometo que vou tentar continuar a colar os meus segundos, como se fossem os teus. Quero e vou continuar a sofrer-te para sempre, até porque, no dia que deixasse de o fazer estaria a esquecer-me de ti e isso é impossível! Mas espero que um dia possa voltar a encontrar a alegria de viver, que sempre nos caracterizou aos dois. No dia em que partiste não levaste apenas o teu sorriso... levaste o meu também!

Mas sinto que se desistir de mim, estarei a desistir de ti... E como sempre te disse, “Desistir não é uma opção!”.

Amo-te MUITO!

 

Papá

Ps. Não fiques triste por não estares cá no dia de hoje. Vamos fazer na mesma um jantar de aniversário com todos os nossos amigos e, claro, com a tua mamã. Hoje e sempre vamos estar a pensar em ti!


tags:

publicado por Luísa Castel-Branco às 09:22
link do post | comentar

4 comentários:
De come allungare il pene a 7 de Janeiro de 2011 às 12:31
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em seu blog que bom!


De allungare pene a 17 de Fevereiro de 2011 às 13:57
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou estudando Português, eu não consigo entender tudo, mas quase! ;)


De Ana Paula Santos a 16 de Março de 2011 às 18:43
Saudade não tem forma nem cor, não tem cheiro nem sabor. Fala-se nela mas não se vê. Quem a tem sente uma dor que cresce no coração e que nunca vem só… Acompanha a solidão. Quem a sente nunca esquece, nem nunca esquecerá, um sentimento que não 'adormece' por alguém que já não está! Deus dará a mão ao seu Amigo PAULO. Beijóca gigante, Ana Paula


De Bianca E.Benites dos Santos a 18 de Julho de 2011 às 14:27
Olá Luísa, tenho lido seus textos todos, mas este em especial tocou minha alma. Meu pai. Meu grande amigo foi embora p o céu, vai fazer três anos dia 14/10/2011, foi é muito difícil, penso nele todos os dias, essa dor, essa saudade está sempre como um fantasma batendo a minha porta...e quando penso que o dia dos pais está chegando ai sim meu coração fica em carne viva. Sei que tenho que seguir em frente por mim e por ele também que tanto fez por mim, pela minha felicidade e que partiu de repente sem que eu pudesse dizer a ele tudo que sinto e quando ele foi necessário em minha vida, e do quanto eu fui abençoada em ter ele como meu pai, já que ele decidiu ser meu pai de coração.

Continue a escrever por favor..
forte abraço
Bia.


Comentar post

.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds