Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009
A Biblia de Saramago ou o exemplo de uma nova forma de promover a venda de um livro

 

José Saramago apresentou domingo em Penafiel o seu novo livro, "Caim", onde conta em tom irónico e crítico a história do filho primogénito de Adão e Eva.
Quase duas décadas após o escândalo provocado pela sua obra "O Evangelho segundo Jesus Cristo" (1991), Saramago afirmou, em entrevista à Lusa, que "a Bíblia é um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana".
"Na Igreja Católica não vai causar problemas porque os católicos não lêem a Bíblia, só a hierarquia, e eles não estão para se incomodar com isso. Admito que o livro possa incomodar os judeus, mas isso pouco me importa", disse o Nobel português à Lusa.
Segundo o Velho Testamento, Caim terá sido o filho primogénito de Adão e Eva, que matou Abel, seu irmão mais novo, num acesso de ciúmes, após verificar que Deus mostrara preferência por este.
"Nada disto existiu, está claro, são mitos inventados pelos homens, tal como Deus é uma criação dos homens. Eu limito-me a levantar as pedras e a mostrar esta realidade escondida atrás delas", afirmou o escritor.
In Destak 19.10.09
 
Que sorte que tem José Saramago em ser português, embora preferira viver no estrangeiro, rodeado por luxo e mordomias (que como se compreende não colidem em nada com a sua ideologia comunista).
Se o pobre vivesse num país muçulmano, já tinha uma “fatha” em cima, que é como quem diz, lá se ia a linda praia espanhola e vinham os guarda-costas.
Segundos dados de 2006, a igreja católica e a segunda em número de fiéis com 1 bilhão e cem milhões de fiéis (1,1 bilhão).
A maior religião é o Islã com 1 bilhão e trezentos milhões (1,3 bilhão).
Mas temos que compreender o Senhor e a sua preocupação com as criancinhas e o ensino dos crimes que constam da Bíblia (declarações prestadas hoje às televisões) Porque, como podemos assistir todos os dias, a Bíblia condiciona a sociedade portuguesa, a conduta e a aplicação das leis, não existindo separação entre o que é a fé/religião e a vida publica.
Daí o apedrejamento das mulheres acusadas de adultério, os linchamentos públicos dos impuros ( todos os que desafiam a moral), o rosto coberto das mulheres, essas cidadãos sem quaisquer direitos, dois passos atrás dos donos.
Enfim, tudo aquilo que assistimos diariamente no nosso país, e claro, em todos os outros em que a fé cristã tem um peso relevante.
Parece que a estupides natural caiu sobre Portugal, vinda de todo o lado.
Pensando bem, porque é que não se podem rir de nós os estrangeiros?
 
 
 


publicado por Luísa Castel-Branco às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (2)


.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds