Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008
A natureza humana

 

Porque é que as pessoas não ficam felizes com a felicidade dos outros?
Durante anos, ela tinha sido feliz.
Estupidamente feliz, daquela forma que não tem história, e é feita de coisas sem importância.
Eram apenas um casal feliz, com dois filhos saudáveis, sem dinheiro para grandes coisas mas o indispensável não faltava e os dias corriam tão suaves, tão doces.
E ao longo desses mais de dez anos, as amigas sempre a tinham avisado dos terríveis fantasmas que assolavam os casais, do destino que a todas estava reservado.
E era como se ela de alguma forma as irritasse, por não ter lágrimas para partilhar nem segredos.
Agora, sentada sozinha no escuro da sala, com a chuva de Verão a cair ritmada, pensava que tudo o que elas tão caridosamente tinham previsto acontecera.
O marido um dia, sem qualquer aviso, ou ela não os tinha visto, pura e simplesmente, entrou em casa, pousou a pasta no chão e disse: “Preciso de espaço”.
E antes que ela conseguisse reagir, deu um beijo rápido nas crianças e voltou a sair.
Afinal, ele precisava de muito mais do que espaço.
Precisava daquela nova mulher com quem vivia, daquela nova vida, dos novos amigos, enfim, tinha passado uma esponja sobre a doce vida que tinham partilhado.
As amigas, que souberam ela não podia dizer como porque não fora capaz de coordenar ideias quanto mais pedir ajuda, vieram todas, aos montes, como carpideiras, chorosas e prontas a contarem-lhe detalhes que ela não queria ouvir, que lhe doíam como facadas.
Depois, desapareceram de mansinho, e pouco a pouco ela deixou de ser convidada para jantares e festas até ficar reduzida ao seu pequeno apartamento, aos dois filhos e às recordações.
Quando a encontravam, olhavam-na com comiseração estampada no rosto, a coitadita dela, como é que ia a vida, enfim, conversas de nada, vazias, desumanas.
Ali sentada, a contar as horas até os filhos voltarem para casa, não lhe saia da cabeça o mesmo pensamento.
Ninguém gosta de gente feliz, mas ninguém quer estar ao lado de gente infeliz.
 
 


publicado por Luísa Castel-Branco às 11:27
link do post | comentar | ver comentários (8)


.links
.pesquisar neste blog
 
.mais sobre mim
.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

blogs SAPO
.subscrever feeds