Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Luísa Castel-Branco

Não desista de si!

Luísa Castel-Branco, 04.07.08
Desconhecido disse sobre Momentos na Quinta-feira, 3 de Julho de 2008 às 23:04:

 

     

 

Cara Luísa, essa é a história da minha vida! Hoje, passados quase 25 anos de angústia e de alguns bons momentos, tento fugir, libertar-me, em vão.
Não percebo, ou não quero, o que me prende a uma relação que faz de mim prisioneira e pouco me dá em troca. As desculpas são as esfarrapadas, as que fingimos aceitar e que cada vez mais comprometem a nossa dignidade. Sei que ele me trai, ou traiu, tanto faz... Hoje precisava, desesperadamente, salvar-me, salvaguardar o que resta da minha auto-estima. Não tenho estabilidade financeira ou ajuda para isso, precisava de um emprego que me libertasse desta relação que, lentamente, me corrói a alma. Nada feito, continuo sentada no sofá à espera, para ouvir as mesmas e gastas explicações.
Obrigada pelo desabafo anónimo!

 

Minha Cara,

Todas as palavras que eu possa dizer soam a falso, soam a pouco.

Não tendo liberdade económica uma mulher, muito mais do que um homem, não tem liberdade, não é dona da sua vida.

Mas...com toda a informação que me falta, com o perigo de estar a falar do que não sei de facto, há algo que lhe posso dizer.

A liberdade dentro de nós, o cortar as amarras e acreditar que merecemos respeito, o aceitar o medo do desconhecido como natural, mas também como uma oportunidade para avançar, não depende de mais ninguém a não ser de nós.

E se nos podem roubar tudo o resto, se nos podem tirar tudo isso, essa força que pode crescer devagarinho até ganhar asas, ninguém nos pode tirar.

Não desista de si  mesmo e não desista da vida.

É curto o tempo que aqui passamos, pouco para apreciar o que de bom existe e a pena que sentimos de nós mesmas só serve para nos bloquear e nada mais.

Se não pode de todo sair dessa realidade, pelo menos agora, que o tempo é mágico, então encontre formas de não deixar que a magoem mais.

Recolha-se dentro de si e crie um muro. Não deixe o homem que dorme na sua cama entrar dentro dele.

Seja livre no coração e quem sabe, talvez um dia descubra uma porta aberta.

Volte sempre e muita força.

1 comentário

Comentar post