Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Luísa Castel-Branco

Para onde vamos?

Luísa Castel-Branco, 13.02.09

É como se estivéssemos à beira do abismo, tentados pelas forças mais negras a saltar ou então, pura e simplesmente a encolhermo-nos dentro de nós mesmos, sem respirar, sem mover um músculo, como se hibernássemos até a tormenta passar.

Perante as notícias de um mundo inteiro em desagregação económica, olhamos à nossa volta a aguardar o dia em que nos vai bater à porta o desemprego, ou então, já ai estamos com os olhos vazios de esperança.

E contudo, mais do que estar em causa todo o sistema em que assenta a sociedade dos nossos dias, o que se nos deparara é a urgência de efectuar mudanças profundas.

É fácil de dizer e muitíssimo difícil de concretizar.

Habituamo-nos a viver no mundo com múltiplas seduções, numa voragem de consumismo que se tornou a normalidade e não o contrário.

Quando converso com os meus filhos como era a vida quando me casei, tinha então 23 anos, eles olham para mim com um espanto total.

E faz-me bem voltar a rever esses tempos para poder olhar os dias de hoje com verdade.

Pertenço a uma geração que lutou para viver. Mas comprado com os tempos dos meus pais e avós a nossa vida era fácil.

A minha mãe começou a trabalhar com doze anos. Doze.

Ficou tuberculosa com quinze e quando oiço o que foi a vida dela, tenho vergonha de pensa que a minha foi difícil.

O mundo como o conhecíamos acabou?

Não acredito.

Vamos continuar a comprar o desnecessário por necessário, a viver nesta urgência de ter para parecer.

Ainda não é desta que voltamos ao respeito que a Terra e a Natureza nos merecem.

 

 

3 comentários

Comentar post